23 de abr de 2010

Qual é O Grande Truque de um sucesso cinematográfico?

No mundo da mágica, fazer com que algo desapareça é fantástico, mas não é o suficiente. O artista em cima do palco, o mágico, não terá a total satisfação do público se não fizer isto e o contrário. A certeza é que o êxito do espetáculo, os aplausos, os sorrisos, a ânsia da curiosidade, só virão depois que, o algo, reaparecer. É a partir deste pressuposto que se desenrola um dos melhores enredos que já tive o prazer de acompanhar dentro de uma sala de cinema.

Sabe quando você se apaixona por um filme e nunca mais o esquece? Então, é por isto que hoje eu lhes trago O Grande Truque, lançado em 2006, sob a direção de Christopher Nolan (Batman – O Cavaleiro das Trevas).

O Grande Truque é uma película que apresenta, além de um elenco invejável, uma ficção original, criativa (meio redundante, pois se é original é criativo não?) e excepcionalmente inteligente.

Desde o primeiro minuto de filme, torna-se impossível desviar a atenção para qualquer outra coisa. O fato de ser um filme que envolva ilusionismo (uma arte que considero incrível) é por si só, capaz de prender e agradar a quem o assisti. Mas claro, não é somente de mágicas que o longa se compõe. Na verdade, a principal construção da ficção retrata a rixa de dois homens, mágicos, óbvio.

Alfred Bordan (Cristian Bale) e Hugh Jackman (Rupert Angiers) tiveram a má sorte de uma amizade alterada depois de um acidente de palco, quando ainda eram apenas assistentes. O erro de Bordan custou a vida da companheira de Jackman, também assistente de palco. Elemento este auto-suficiente para a construção de uma sequência de intrigas que chega ao ápice da raiva e crueldade.

É justamente no decorrer desta inimizade que se revela toda a inteligência, tudo aquilo que chamamos de “bem bolado”, de O Grande Truque. Bordan, que sempre teve um talento a mais que Jackman para a mágica, passa a revelar um caráter incompreensível que só nos é esclarecido ao final do roteiro. É este mesmo caráter que aguça a raiva, a inveja e a ambição de Jackman, que tenta durante todo o longa roubar de Bordan o seu grande truque, o ilusionismo do Homem Transportado. É este mesmo caráter ainda, que é de fato O Grande Truque, a grande sacada do filme.


Bom, assim como em um truque de mágica, onde o segredo é primordial, eu não vou revelar detalhes mais profundos sobre o filme, até mesmo porque se você ainda não viu (e se este for o caso, eu quero que você veja), iria perder a graça certo?

Pois bem, eu realmente admiro o trabalho que foi feito em O Grande Truque e acho que acontece o mesmo com quase todos, se não todos, que também já o viram.

Outro filme muito bem bolado que segue a mesma linha é O Ilusionista, bem mais conhecido até, também de 2006. Mas que de fato, não é melhor. Então, deu para sentir a pressão não é?

Se você ainda não viu O Grande Truque, fica a dica para o fim de semana. Fiquem com o trailer. Até a próxima!



7 comentários:

Francorebel disse...

Talvez o grande truque fosse não ter truques... esses filmes aí não sei se vou assistir... estou muito mais inclinado a assistir produções mais antigas, ondes os truques são outros, bem menos comerciais... valeu!

23 de abril de 2010 09:56
Thamara disse...

Agora quero ver O Grande Truque, esse post conseguiu me deixar curiosa. O Ilusionista eu já vi, realmente muito bom.

23 de abril de 2010 10:00
Daniel Silva disse...

sou fã do christian bale e da scarlett johansson, mas ainda não assisti o filme.

eu vi o ilusionista, com o edward norton, que é o melhor ator dessa geração, pra mim.

abraço

23 de abril de 2010 10:35
pisovelho.com.br disse...

O Grande Truque é algo raro no cinema. E Nolan é um diretor raro também.
Parabéns pelo post.

23 de abril de 2010 11:17
mari disse...

Blog legal
parabens
passa no meu
bbjos.

23 de abril de 2010 11:33
Dani e Nildo disse...

Que blog da hora....super organizado e com um belo layout e template.

Adorei.

www.nildoedani.blogspot.com

23 de abril de 2010 11:43
Shirley Arch disse...

muito interessante seu blog, os artigos, o truque do cinema é que faz o cinema....

28 de abril de 2010 15:57