1 de jan de 2008

"Eu fui a Woodstock" - Roc Ahrensdorf

"Eu tinha 16 anos quando fui a Woodstock. Vou começar a contar minha história sobre como eu cheguei lá. Eu e um amigo fomos para Woodstock no seu Volkswagem. Preparamos a comida, sacos de dormir etc. Nós percorremos não mais do que algumas milhas pela I-95 quando batemos no pára-choques de um carro na nossa frente perto de uma construção. Não aconteceu nada, mas esmagamos a frente de nosso carro.
Carro que ainda estava um tanto “dirigível”, portanto estávamos confusos sobre como lidar com o incidente. Deveríamos ir ao show e dizer que a batida aconteceu na volta ou devíamos ligar para os seus pais e ver o que eles diriam? Bem, no caso de outras pessoas parecerem poder ligar, decidimos ligar para seus pais. E é claro que eles disseram para voltarmos para casa.
Eu estava em casa pensando sobre tudo isso quando minha mãe disse “Vá! Eu não vou ter paz em casa se você ficar aqui!”. Então eu aprontei meu Corvair, peguei toda comida e parti na sexta-feira sozinho.
Fiquei parado em um engarrafamento por horas até que finalmente me disseram para estacionar em um gramado. Fui até um bar e comprei uma coca-cola quando um cara me perguntou “você tem um ingresso?” e eu respondi “não” . Fiquei meio assustado de ele dizer que eu não conseguiria entrar. Mas ele olhou para mim e disse:“você não precisa de ingressos!”.
Eu tive que estacionar a quase uma milha de distância do show. Peguei o que poderia carregar e caminhei até o local. Encontrei um lugar para erguer minha cabana no topo do campo. Peguei meu saco de dormir e voltei para o carro para pegar comida e qualquer coisa que eu pudesse precisar. Eu mesmo fiz uma pequena fogueira na frente da minha barraca. Eu podia ouvir muitas coisas dali, portanto eu não precisava realmente atravessar a multidão, a não ser que eu quisesse ver as bandas.
O local era cheio de trailers com nomes do tipo “Groovy Way” ou “Far Out Path”. A cada interseção havia pessoas vendendo todo o tipo de drogas! Que cena!
Depois de um tempo, algumas pessoas me perguntaram se eu não podia dividir minha fogueira. Eu disse “claro”. Então, eles acamparam ali. Quando começou a chover, eu me enfiei em meu saco de dormir por um tempo. Quando eu acordei, minha pequena fogueira tinha se tornado uma larga labareda com muitas pessoas por perto secando suas roupas e cobertores. Era impressionante como as pessoas se viraram juntas.
Eu fiquei meio chapado pela semana inteira, então eu fiquei por perto de minha barraca. Acordei em uma manhã de segunda-feira pelas dez horas para ouvir Jimi Hendrix tocar “Star Spangled Banner”. Que maneira de acordar! Pelo o que tinha sido lá, parecia vazio. Depois de Hendrix terminar, eu fiz minhas malas e voltei para casa. O trânsito não estava tão mal. Foi interessante ver todas as pessoas a procura de amigos ao longo do caminho ou seus carros".



Tudo que se fala sobre drogas em Woodstock é real ou as pessoas foram lá mais pela música?
"Para mim pareceu ser pela música. Óbvio que havia muitas drogas lá, mas isso não foi o motivo que levou as pessoas a irem ao show. Aquilo foi também feito para ser O lugar, então várias pessoas que não comumente iam a concertos como aquele foram para Estar Lá".


Você mudaria alguma coisa sobre a maneira que você agiu lá e como?
"Primeiro, eu teria tirado mais fotos. Eu levei minha câmera, mas só tirei quatro fotos. Elas eram de pessoas que acampavam muito longe da ação. Era incrível como quão longe tudo se espalhava. Eu queria ter tirado mais fotos das coisas que aconteciam lá e de meu local de acampamento".


Qual foi a cena mais bizarra que você viu lá?
"A cena mais bizarra foi ver como as coisas estavam segunda-feira. A maioria das pessoas tinha ido embora, deixando muito lixo, cobertores, sacos de dormir e outras coisas espalhadas pelo chão coberto de lama".


E qual foi a coisa mais impressionante?
"O mais impressionante foi o modo como as pessoas estavam espalhadas. Era possível ver as pessoas muito longe do lugar onde você estava".


Você acha que tudo que é visto nos vídeos e em fotos retrata exatamente o que aconteceu?
"Claro, acho que não há nada exagerado".


Como você se sente por ter feito parte do mais famoso festival de música da história? Isso mudou alguma coisa na sua vida?
"Tenho orgulho de ter feito parte. Não sei se mudou algo em minha vida. Acredito que foi uma culminação de tudo o que aconteceu nos anos 1960. O festival mostrou ao mundo que 500 mil pessoas podem conviver juntas, a maioria usando algum tipo de droga, mas mesmo assim pacificamente. Muitas pessoas acharam que o movimento hippie era o fim do mundo, mas Woodstock mostrou que elas estavam enganadas".


O que você viu e sentiu em Woodstock que não consegue mais ver e sentir nessa nova geração?
"Havia muita coisa acontecendo, tudo novo e diferente. As coisas são menos radicais hoje em dia. Havia uma irreverência no ar. Mas você não vê mais marcha de paz. As crianças são muito apáticas. Se eles tentassem recriar Woodstock hoje, possivelmente ele seria um festival de patrocinadores".



As quatro fotos tiradas por Roc Ahrensdorf:













.
.




[tradução: Carolina Petry Matzenbacher e Pedro Faustini]

0 comentários: