4 de mai de 2010

Rock Talk - A Gata voltou


A música que ela faz parece servir como uma opção para expressar a melancolia que carrega, e não o contrário. Com a voz rouca e aveludada, Cat Power consagra o minimalismo que se expõe lindamente através da visão folk rock que ela faz da vida.

Cat Power é natural de Atlanta, EUA, e, hoje, com 38 anos, já conta com 9 discos lançados, sendo o último deles o Dark End of the Street (2008), EP de covers com oito faixas que ficaram de fora de Jukebox, álbum de versões lançado no mesmo ano. Dark End... conta com duas músicas de Aretha Franklin, além de apresentar regravações de singles das bandas The Pogues, Creedence Clearwater Revival, Otis Redding e outro de Sandy Denny em parceria com Fairpor Convention. Duas músicas de Jukebox são autorais: Metal Heart, que já havia aparecido no álbum Moon Pix, e Song To Bobby, dedicada a Bob Dylan e escrita em parceria com Matt Sweeney, que já colabora com a cantora desde 2000.

Conhecida por guitarras esparsas, piano e vocais sussurrados, Cat Power fez releituras de “Satisfaction”, dos Rolling Stones e “I Found a Reason”, do Velvet Underground, do disco The Covers Record.

As primeiras gravações de Cat, Dear Sir (1955), Myra Lee ( 1996), What Would the Community Think ( 1996) e Moon Pix ( 1998) correspondem à fase mais autoral da cantora. Com músicos convidados, tais como Eddie Vedder (Pearl Jam), Dave Grohl ( Foo Fighters, Queens of Stone Age) e Warren Ellis ( Dirty Free), The Covers Record marca o início dos trabalhos de regravação de músicas originais de outros compositores, mas com muita personalidade, continuando com You Are Free ( 2003), The Greatest ( 2006) – que na verdade corresponde à um esforço colaborativo da gravadora Matador Records com Teenie Hodges, do Al Greens, além de outros músicos - , Jukebox (2008) e Dark End of The Street ( 2008).

Ao longo de sua carreira, Cat Power foi indicada e conquistou alguns prêmios, incluindo a indicação na categoria melhor artista solo feminina internacional, no Brit Awards, em 2007, e o prêmio de melhor álbum do ano para The Greatest no Short List Music Prize, no mesmo ano. Esta é a quarta passagem da cantora pelo país - a primeira foi em 2001; a segunda, no TIM Festival de 2007, com ingressos esgotados e a terceira foi em 2009, na turnê de lançamento de Jukebox.

Além da apresentação na Virada Cultural.  O Bourbon Street Music Club traz um show mais intimista da cantora no dia 26 de maio em São Paulo. De qualquer forma, confira a agenda de shows da sua cidade. É bem provável que ela toque por aí também. E se tocar, não perca!

10 comentários:

Roni disse...

Bacana o blog, uma pá de informação...da pra se atualizar por ale...gostei...

4 de maio de 2010 12:22
seuvicio disse...

Nem conheço, mas guardei o nome pra procurar depois.

4 de maio de 2010 12:29
oi q disse...

amei o blog (: tem vários artistas qe a gente nem conheçe, guardei o nome *-*

4 de maio de 2010 12:31
NeToO disse...

Muitos artistas internacionais deveriam fazer igual a ela ou parecido. fim pelo menos 1x no ano para uma breve tour por diferentes regiões. É um saco ter que esperar uns 5-10 anos pra ver um show de alguma banda que gostamos.

4 de maio de 2010 12:35
O Lenhador Prateado disse...

parabens pelo site!

4 de maio de 2010 12:37
Brunão disse...

Não conhecia, mas gostei. Muito bom o blog, muita informação.

4 de maio de 2010 12:37
30 e poucos anos. disse...

Não conheço...vou dar uma checada no youtube

4 de maio de 2010 12:38
BLOGUEIRO EXECUTIVO disse...

Não conheço, agora se o talento for igual a beleza, nossa ela tá no topo...

4 de maio de 2010 15:33
Thamyzinha Iwasaki disse...

não conhecia mais gostei, quero procurar mais^_^
parabens pelo bolg sempre coisas novas, é muito bom aprender^_^

4 de maio de 2010 15:44
Daniel Silva disse...

38 anos!? pensei que era bem menos. tá conservada. nunca ouvi, confesso. deveria?

abraço

4 de maio de 2010 19:37