15 de nov de 2009

Yael Naim e o que ela me ensinou

Por Paula Febbe

Acompanhei a vinda da cantora Yael Naim ao Brasil e decidi dividir minha experiência com vocês.

Como assessora de imprensa do Bourbon Street, minha primeira responsabilidade em relação aos shows que ela faria no Brasil foi, claro, escrever o release.

Óbvio que exaltei o fato da música mais conhecida da artista, “New Soul”, ter servido de trilha sonora para o comercial do MacBook Air. Então, conseguimos entrevistas, divulgação e foi tudo lindo.

Quando Yael chegou, tive a responsabilidade de levá-la às entrevistas que deu, e então presenciei todos os shows que fez (inclusive o primeiro, improvisado e acústico, durante o apagão) e foi aí que minha casa caiu.

Yael é exatamente tudo o que uma verdadeira musicista deve ser. É uma pessoa que depois de alguns tropeços em vida, criou uma consciência real de quem é, do que quer fazer e do que é capaz. Por isso a calma, por isso a verdade.

No palco do Sesc Pinheiros, disse ter sido pretensiosa alguns anos atrás (o que ironicamente e instantaneamente a transformou em alguém totalmente sem pretensão). Contou a história de como achava que sua alma era antiga, mas depois que a vida real a alcançou, começou a acreditar que talvez esta fosse sua primeira vez na Terra. Assim foi criada sua música mais conhecida, “New Soul”.

Yael é engraçada.

Se não tivesse um enorme talento pra música, acho que seria comediante ou atriz. Mas as músicas dela são de uma beleza incontestável e de uma honestidade que eu não via há muito tempo.

A vinda de Yael ao Brasil afirmou pra mim que ainda há delicadeza, doçura, poesia e realidade na música. Ela e o namorado, David Donatien - também percussionista da banda - passaram dois anos e meio trancados na casa de Yael, gravando o disco. Quando perguntamos o que ela mais gosta nessa vida, a resposta é simples: a música.

Pois é. Para ela, o propósito ainda se faz presente. E como isso é raro hoje em dia!

Assim que o último show em São Paulo terminou, lembro de estar na cochia e ver a banda toda sair abraçada aos pulinhos em direção ao camarim.

Uma das cenas mais lindas que já vi na vida...

Ela é o contrário de “cantora do MacBook Air”. Ela é uma artista!

Pode deixar que da próxima vez, mudo o release, gente. Não vai ter nem sombra de Steve Jobs pra contar história.

O MacBook Air pode até ter um milhão de gigas, mas definitivamente não é o suficiente para suportar a grandeza de Yael Naim.

P.S.: OK? E o que Yael Naim faz em uma coluna sobre rock? Ah gente! Ela começou a tocar por causa dos Beatles!!

Ta bom, né?

;)

1 comentários:

Tati disse...

1. foi difícil chegar até aqui... ou meu 3G está com problemas, ou o seu site está muito pesado!

2. A parte boa: aqui o conteúdo é muito bom! Este post trouxe novidade pra mim. Já o primeiro post, me faz referência a uma das minhas paixões que é o Nirvana.

Desculpe a demora em comentar, mas reamente foi complicado! Rss

16 de novembro de 2009 13:15