20 de jun de 2009

Rock Talk - Bonitos

Por Paula Febbe


Tenho ouvido muito o último disco do Kings of Leon, “Only by the night” há algum tempo e devo confessar que não me canso dele. Gosto da sonoridade. Acho as letras atrativas e, para mim, a banda amadureceu...

Pois é! Aí vem a razão da desaprovação de vários amigos entendidos no assunto música/rock 'n roll, já que para uma graaaande maioria:

Não – se – pode – aprovar – bandas – que – se – vendem!

Ok! Antes de entrar no mérito do significado de “se vender”, vamos usar o Kings of Leon como exemplo e conhecer um pouco da trajetória deles...

Caleb, Nathan e Jared Followill são irmãos. Junto com seu primo, Matthew, formaram o Kings of Leon. Cresceram passeando de carro pelo sul dos E.U.A. com o pai, um pastor. Não tinham uma casa. Viviam na estrada e dormiam em igrejas, hotéis e até mesmo no carro.Naquela época, os garotos da família Followill eram proibidos de ouvir rock ou assistir TV, mas em dez anos muito mudou: o pai deixou a igreja e se divorciou da mãe dos meninos.

Então, eles começaram a ouvir música, formaram uma banda em 2000 e em 2002, já tinham conquistado o interesse de nove gravadoras. O primeiro EP foi lançado em 2003 e em cinco anos abriram shows para U2, Bob Dylan e Pearl Jam (que, aliás, é uma das bandas preferidas deles).

Há pouco tempo atrás, enquanto a Europa lotava seus shows, os pais dos meninos tinham dificuldade em acreditar que eles fizessem sucesso, afinal ninguém os conhecia nos E.U.A.!

Isso mesmo! Eles eram extremamente famosos na Inglaterra, Austrália, Nova Zelândia, bastante conhecidos no Brasil e desconhecidos por americanos que não faziam parte da redação da Rolling Stone.

Kings of Leon começou como uma banda de rock alternativo que fazia um som extremamente interessante, meio vintage, e trazia músicos que pareciam ter saído diretamente dos anos 70. A música, óbvio, sempre foi a preocupação número um na vida deles (até porque com um passado desses, era muito difícil que tivessem interessados em usar roupas da moda e cortes de cabelo descolados). Só que havia um problema em tudo isso: Eles eram bonitos.

Nos primeiros discos, o Kings of Leon, se escondia em pêlos faciais e cabelos longos que teimavam em cobrir seus rostos. Eram caipiras que faziam um rock n´roll sujo e bêbado.

Com “Only by the night”, tudo mudou! Eles se barbearam, alguns cortaram os cabelos e o que era plano geral (como no clipe de Molly´s Chambers) acabou virando close–up (como em Use Somebody).

Os vídeos da banda trouxeram um vocalista teatral, um baterista sem camisa e garotos lindos que poderiam estar em ensaios de moda de qualquer Vogue do mundo.

Os meninos do Tennessee, então, foram capa da Rolling Stone americana e atração do MTV Movie Awards 2009...Finalmente!

Com o sucesso na terra natal, veio o rótulo de “vendidos”, a ira de fãs antigos e a admiração de meninas que provavelmente passariam reto por cada um deles se os encontrassem na rua em 2003.

O “mainstream” do rock americano é apaixonado por bonitos. Como começo de tudo, podemos citar Elvis Presley. Ao longo dos anos e da evolução do rock, podemos pensar no Kiss, que fez um tremendo sucesso enquanto pintava seus rostos para o grande público e teve que lutar muito para continuar no topo, assim que decidiu se mostrar de verdade.

Quando pensamos em bandas americanas, é difícil lembrar de alguma que não tenha pelo menos um músico bonitão.

O Nirvana, por exemplo, era esteticamente estranhíssimo no palco. Krist era alto demais, Dave Grohl (que hoje é bonito) era magrelo, mas havia Kurt para compensar. Já o Mudhoney, pai do movimento grunge, que carregava apenas membros esteticamente feios, nunca chegou perto de tocar nas rádios.

Se o “mainstream” americano só aceita o rock feito por bonitos, devemos agradecer ainda mais por países como Inglaterra e Austrália. O mundo seria péssimo sem AC/DC, Led Zeppelin e Rolling Stones.

Aí vem a pergunta: O Kings of Leon se vendeu?

Realmente acho que eles não têm culpa. Os garotos humildes de Nashville, provavelmente devem estar usando as roupas que ganham, fazendo nos clipes o que diretores pedem e tocando uma música que mudou muito em pouco tempo pelo simples fato de terem tido muita informação nos últimos anos, mas que não deixa de ser ótima.

Talvez eles estejam se encontrando, talvez não tenham idéia de onde estão se metendo.

Acredito que o figurino de anos 70 usado em 2003 pelos meninos era a época em que eles honestamente se encontravam. Haviam acabado de descobrir o rock n´roll e começaram, naquela época, a entender o que era uma banda de rock.

Talvez, quando perceberem o que significa aonde chegaram, eles tentem usar novas barbas compridas para camuflar o inevitável: Virar Jim Morrison, Kurt Cobain, Shannon Hoon e tantos outros grandes músicos que tiveram sua arte ignorada pra enfeitar capas de cadernos e quartos de adolescentes.

Jim Morrison, inclusive, tentou a mesma façanha de uma longa barba para forçar que prestassem atenção no que importava: sua música.

De qualquer maneira, acho que os roqueiros do mundo todo deveriam agradecer o Kings of Leon. É maravilhoso ver apresentações em premiações da MTV que tragam simplesmente quatro caras tocando um rock n´roll que começou de uma maneira honesta. Quanto menos explosões, bundas expostas e rappers vazios falando sobre como é bom ter dinheiro e mulheres, melhor para o mundo.

Minha admiração por eles é grande.

Assisti ao show que fizeram em São Paulo no ano de 2005, quando abriram para o Strokes, e devo dizer que os meninos foram geniais. Gostaria muito de ver um show deles hoje para julgar se o Kings of Leon é uma banda de “Sansãos” que teve o talento perdido com o cabelo. Honestamente, duvido muito.

Paula Febbe

http://desuso.wordpress.com


12 comentários:

theloreanaveia disse...

opa... adoro blogs de música... (será porque?)

kings of leon, mto bom!!

conheça minha banda..

www.palcomp3.com.br/thelorean

e essa aki tbm é boa

www.myspace.com/lhyzrock

são bons motivos para tópicos!
flwww

20 de junho de 2009 13:24
Jairo Júnior disse...

Nao conhecia o kings of leon vou prourar saber vlwss otimo post :)

20 de junho de 2009 13:27
Alan Salgueiro disse...

Adorei a matéria! No meu insconscienta ainda tenho o Kings com o visual dp rock in rio lisboa, e aquelas feições desleixadas alusivas ao sonzinho retrô-caipira que eles faziam. Daí a frente perdi contato com a banda e nem sabia dessa atitude 'clean' da parte deles. Acho que o que não pode se perder é o discurso, a mensagem e a comunicação que se tem com os antigos fãs deve ser mantida, ou então os ostracismo logo se encarregará de nortear a carreira dos caras.

20 de junho de 2009 13:48
Dan Pessôa disse...

Olha... eu já conhecia várias bandas antes de fazer sucesso, como Gloria, Libra e L'ame Immortelle (esse, aliás, ainda é desconhecido hahaha), e fiquei muito feliz ao saber que o Gloria, por exemplo, vem fazendo sucesso. Acho que o que não pode acontecer é a banda mudar completamente seu estilo musical pelo sucesso. De resto, fã que é fã torce pelas suas bandas favoritas pra que elas estajem entre as mais tocadas. Ser alternativo não é necessariamente uma qualidade. E é isso que os fãs precisam entender.

20 de junho de 2009 13:55
Mitty disse...

Olha, gostei muito de saber sobre essa banda. Confesso que não a conhecia.

Mas agora vou ver no Youtube se esse bonitões são bons mesmo!

Se forem bons como vc ta dizendo tb vou virar fã!

abraços

20 de junho de 2009 13:59
Marcelo Malta disse...

Ainda não conheço o som deles, mas vou procurar sobre assunto, principalmente pela grande quantidade de conteúdo.

20 de junho de 2009 19:55
30 e poucos anos. disse...

Se vender para cada vez mais fazer sucesso?
Não acredito que isso exista..."se vender".
O sonho de toda banda é ser conhecido pelo maior numero de pessoas possível.

2º coment.

22 de junho de 2009 16:18
moniquebrasil disse...

Credo! Detesto esse discurso: " Ser sujo e mal vestido é ter talento."
Pessoas arrumadas são estúpidas, pessoas desleixadas são verds.Aff! Quanta idiotice e preconceito.Vou lá curtir o som e verificar se são bons mesmo.

22 de junho de 2009 21:43
Pobre esponja disse...

Legal, rock'n roll!!

abç
Pobre Esponja

25 de junho de 2009 00:21
Blog lolcos disse...

cara não curto muto blog de musica rs,
mais , acho que você é bom nisso, mantem o blog que ele ta bom ;D

28 de junho de 2009 17:49
Anônimo disse...

Muito bom o seu post.
Sou fã de Kings of Leon há algum tempo e, realmente, essa de "eles são famosos e bonitos, portanto não prestam" enche MUITO o saco.

16 de julho de 2009 17:15
Cris disse...

eu conheço os caras desde o primeiro disco, mas soh parei pra ouvir recentemente. nem sabia dessa mudança de estilo e da revolta de alguns fãs quando ouvi o último disco, mas não gostei mto dele msm assim - nem do terceiro (because of the times), simplesmente pq achei estranhos, meio chatos. questão de gosto. não sei se eles se venderam, mas acho que eles eram mto melhores nos velhos tempos. realmente, os bonitões fazem mais sucesso msm, e acho isso uma droga. talvez por isso pareça q eles se venderam. concordo com uma parte do post onde eh dito q talvez eles tenham se encontrado ou ainda estejam tentando. oq sei eh q eles sempre dizem q "esse eh o album que sempre quisemos fazer" ou algo desse tipo, toda a vez que lançam um novo album. eu não sei, acho q eles estão meio perdidos e talvez tenham sucumbido ao amor pela pátria e optado por conquistá-la, msm que pra isso tivessem de mudar a essência de sua música.

14 de janeiro de 2010 23:32