27 de jun de 2009

Rock Talk - A Arte do Videoclipe

Por Paula Febbe.

Vamos falar de videoclipes, então...


É muito difícil conseguirmos pensar em um videoclipe que seja a personificação de tudo aquilo que poderíamos considerar “perfeito” na junção de imagens e música.

Claro que um clipe não precisa ser esteticamente impecável para ser interessante. Se assistirmos a “Here it goes again” do OK Go, por exemplo, vemos técnica nenhuma em uma montagem inusitada extremamente atraente. A banda faz uma coreografia impecável em esteiras de academia, e consegue vender, quase que sem recurso nenhum, a música, que é a proposta, no final das contas.

Agora, se pensarmos em clipes esteticamente inovadores, com uma grande produção e que tragam algo novo às telas, há poucos que podem ser considerados verdadeiras expressões artísticas.

Neste quesito, um dos maiores diretores, sem dúvida, é Mark Romanek Além de já ter feito trabalhos inacreditáveis para artistas pop como Madonna e Macy Gray, Mark é um dos poucos que consegue trazer a arte para a tela quando o assunto é rock n´roll.

Mark, fez o clipe, que eu, pessoalmente, considero o melhor de todos os tempos: “The Perfect Drug” do Nine Inch Nails.

Não estou falando de preferências musicais, até porque nem gosto tanto dessa música, mas acho lindo o resultado final da incorporação de referências das artes plásticas e do som.

Em “The Perfect Drug”, Mark Romanek juntou idéias de uma estética sombria, inspirada em Edward Gorey, e transformou a negação de Trent Reznor em fazer uma “personagem”, em um dos trabalhos mais bonitos na história do videoclipe.

Destaque para a metade do clipe, quando Trent toma uma taça de absinto.


http://www.youtube.com/watch?v=l0s5UOVsMDg

Além disso, Romanek foi responsável por trazer a arte moderna pela primeira vez ao videoclipe. “Can´t Stop” do Red Hot Chilli Peppers foi dirigido por ele e conseguiu criar, juntando dois universos que pareciam tão distantes, uma atmosfera que é a cara da banda!


Mark também criou um dos mais aclamados videoclipes da história. A versão de Johnny Cash para a música “Hurt” do Nine Inch Nails. Aqui, Romanek conseguiu sintetizar em poucos minutos e muita poesia, toda a vida e dor de uma das maiores lendas do country/rock.

http://www.youtube.com/watch?v=SmVAWKfJ4Go&feature=related

Se algum dia na minha vida, eu conseguisse fazer pelo menos um clipe tão bom quanto algum que ele tenha feito, minha missão na Terra estaria completa.

Mas Mark não fez só um, fez vários, e felizmente deve ter muito mais coisa boa por vir.

Que bom que o rock não tem apenas o talento de seus músicos!

Que bom que o rock tem Mark Romanek!

Paula Febbe
http://desuso.wordpress.com

6 comentários:

Wander Veroni disse...

Oi, amigos do De Garagem!

Estava sumido aqui do blog, mas aos poucos vou comentar e ler tudo que perdi nesse tempo, ok.

Realmente, tem clips muto bons, que não são necessariamente milionários ou grandiosos. Detesto clip que mostra so a banda tocando. Tem que ter isso, mas tem que ter uma ideia bacana, como se fosse um curta.

Gostei da indicação de clip feita no post!

Abraço,

http://cafecomnoticias.blogspot.com

28 de junho de 2009 12:59
Lucas disse...

Legal

28 de junho de 2009 16:56
Felipe Nóbrega disse...

legal*

sou seu seguidor

se quiser vai no meu também

flows

www.aoutrablog.blogspot.com

28 de junho de 2009 17:42
Lucas disse...

http://techcia.blogspot.com/

28 de junho de 2009 18:23
Vivica Bolacha disse...

Esse clipe é super simples e como fala no texto, é bem a cara do Red Hot. Bem diferente do 'Californication' que é todo animado.

Abs.

29 de junho de 2009 00:14
Marcelo Malta disse...

Vídeos-clipes são artes mesmo, são na verdade mini-filmes. Bem produzidos deveriam ganhar Oscar.

29 de junho de 2009 20:45